A Resistência da Poesia!
29/06/2018 13:15 em Estação Literária

“A cada palma batida, a cada sorriso dado, a cada lágrima escorrida, a cada ‘pow’ gritado, sinto que não escolhi o caminho errado… Através da poesia, lhes apresento meu novo eu: a voz, da periferia”, bradou a jovem Tawane Theodoro, de 19 anos, para cerca de sessenta pessoas em silêncio, em maio, no Galpão do Folias, no Centro. O encontro fazia parte do ZAP! (Zona Autônoma da Palavra), o primeiro slam, espécie de batalha de poesia, paulistano.

Há dez anos, os recitais poéticos seguem um esquema semelhante. Cada integrante, que pode usar um bloquinho ou celular para “colar” os versos, tem até 3 minutos para se apresentar. Os “juízes”, escolhidos previamente na plateia, dão notas e elegem o vencedor da noite. O formato foi criado pelo poeta Marc Kelly Smith nos anos 80. Ele queria tirar a poesia do meio acadêmico nos Estados Unidos e acabou estimulando o gênero em diversas partes do mundo.

“Com o jogo, a plateia presta mais atenção no que está sendo dito”, conta a atriz Roberta Estrela D’Alva, à frente do ZAP!. Ela trouxe o projeto para a cidade depois de visitar uma noite de competição em Nova York. Em São Paulo, hoje mais de trinta grupos organizam suas reuniões.

O vencedor brasileiro é enviado para a final, em Paris, na França. Ainda não temos um campeão mundial, mas, desde 2009, o país manda seu representante. Não há restrição de temática, mas, pouco a pouco, bandeiras como as do feminismo e contra a homofobia ganham a preferência dos competidores, que muitas vezes deixam de lado as rimas sentimentais, cômicas ou eróticas, por exemplo.

Um dos grupos mais ativos é justamente o Resistência, que se reúne toda primeira segunda-feira do mês na Praça Roosevelt. “A ebulição de 2013 contribuiu para que os coletivos se encontrassem ali para debates sobre movimentos sociais”, conta Charles de Jesus, um dos idealizadores. No ano seguinte, nasceu o slam, que chega a ter até 500 participantes.

E quem se destaca no meio acaba seguindo a carreira literária independente. 

Datas e horários dos próximos encontros:

- Slam Resistência Slack Line - 2 de Julho, Segunda às 18:00 – 22:00, Praça Franklin Roosevelt 100, São Paulo

- Gavlyn & Dj DubPlates em São Paulo - Sábado, 4 de agosto às 12:00 – 23:59, V.Garage - Galeria Underground - Espaço Cultural, Rua Amazonas da Silva, 624 , São Paulo

Para ficar por dentro de todos os eventos, acesse a página no Facebook: facebook.com/slamresistencia

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!